Skip to main content
Tag

Arquivos Coronavírus - LVT Travel Business

Latam opera apenas 3 voos internacionais no Brasil: SCL, MIA e JFK

By Coronavírus

O Grupo LATAM Airlines e suas subsidiárias anunciaram, que, devido a restrições de viagens determinadas pelas autoridades e menor demanda após a pandemia do novo coronavírus, suspenderá temporariamente rotas internacionais adicionais até 30 de abril.

Todos os passageiros com voos cancelados não precisam tomar nenhuma ação imediata, de acordo com a companhia. O valor do bilhete será automaticamente mantido como crédito para futuras viagens, ou o passageiro poderá reagendar a data do seu voo, sem nenhum custo, até 31 de dezembro deste ano.

As rotas internacionais que o Grupo LATAM continuará a operar, com frequências limitadas, serão:
• Santiago e São Paulo.
• São Paulo para Miami e Nova York
• Santiago para Miami e Los Angeles

Segundo a empresa, a continuidade dessas rotas, ou a reabertura de outras rotas internacionais, dependerá de alterações nas restrições de viagem e fechamento de fronteiras impostas pelos diferentes países onde a empresa opera e das condições de demanda e serão informadas oportunamente.

fonte: Panrotas

Companhias aéreas passam a oferecer apenas voos essenciais

By Coronavírus

A partir de hoje (28/03), as companhias aéreas Gol, Latam e Azul iniciam um período de menos voos no país devido às medidas adotadas para combater o novo coronavírus. Até o final de abril serão feitos apenas voos considerados essenciais. As 26 capitais, o Distrito Federal e outras 19 cidades serão atendidas. 

No programa apresentado pelas companhias ontem à Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) estão previstos 723 voos no Sudeste, 153 na região Nordeste, 155 voos no Sul, 135 no Centro-oeste e 75 voos para a região Norte.

Com a adequação, o número de voos semanais passou de 14.781 para 1.241. A malha emergencial é 91,61% menor do que a originalmente prevista pelas empresas para o período. A queda é de 56,06% das localidades atendidas, passando de 106 para 46.

Em nota divulgada à imprensa, a Anac disse que a distribuição dos voos atende a preocupação do governo federal de manter uma malha que continue integrando o País, com ajustes para que nenhum estado fique sem pelo menos uma ligação aérea.

Sobre o assunto, o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (ABEAR), Eduardo Sanovicz, disse que a medida é insuficiente. “As companhias vão continuar queimando dezenas de milhões de reais de caixa, pois mesmo com a redução da malha a ocupação das aeronaves continuará baixa. Por isso, o setor necessita que sejam disponibilizadas linhas de crédito para que as empresas possam suportar os próximos meses”, afirmou.

Boas notícias sobre o coronavírus

By Coronavírus

Apesar de toda a gravidade da pandemia do coronavírus, existem motivos para ficarmos mais otimistas. Talvez o maior deles é que o número de casos diagnosticados na China está diminuindo e, segundo o presidente Xi Jinping, a epidemia está “praticamente detida” no país. Mas as boas notícias não param por aí. Confira!

Pesquisas e vacinas

Em todo o mundo, especialistas se dedicam a entender o vírus e projetar uma vacina. O vírus foi identificado em 7 de janeiro, na China, e no dia 10, seu genoma já estava disponível, um importante passo para o desenvolvimento de uma vacina. Em 13 de janeiro, foi disponibilizado o teste de RT-PCR para detectar o vírus.

Além disso, a Inovio Pharmaceuticals anunciou uma vacina de DNA sintético para o novo coronavírus, INO-4800, baseada no gene S da superfície do vírus. Já a Sanofi usará sua plataforma de expressão de baculovírus recombinante para produzir grandes quantidades do antígeno de superfície do novo coronavírus.

Combinação de remédios 

A

Tailândia anunciou que pacientes apresentaram melhora 48 horas após serem tratados com uma combinação de medicamentos para HIV e altas doses do oseltamivir, usado no tratamento de H1N1. 

Na China, médicos também têm usado medicamentos para HIV, tendo como base estudo de 2004 que apontou respostas favoráveis em casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (Sars), que matou cerca de 800 pessoas em 2002 e 2003.

Além disso, autoridades têm recomendado a integração da medicina tradicional chinesa, por meio de substâncias que têm ingredientes antivirais ativos, e a medicina ocidental. Cientistas chineses já publicaram estudos sobre o uso da medicina tradicional chinesa para aliviar sintomas da Sars.

O sucesso na Coréia do Sul

Mesmo com um alto número de infectados por coronavírus, a Coreia do Sul apresenta uma taxa de letalidade baixa em comparação a outros países. A estratégia, coordenada pelo Ministério da Saúde, foi estabelecida desde o primeiro dia: o objetivo era criar uma rede abrangente de diagnóstico e de redução da taxa de letalidade.

Para especialistas, o método usado pela Coreia do Sul é o mais eficaz, pois permite a obtenção de um panorama mais amplo sobre a disseminação do vírus. Inclusive, o Brasil está negociando a importação deste método de diagnóstico massivo – um teste rápido igual ao de gravidez.

A situação pede todo cuidado possível, mas é muito bom saber dessas notícias. Aos cidadãos, cabe respeitar e seguir as medidas preventivas. Se todos fizerem sua parte, sairemos desta crise em um tempo bem menor.  

Fontes: BBC, Terra e UOL

Entidades do Turismo solicitam medidas para combater crise no setor

By Coronavírus, Ponte Aérea LVT

As principais entidades do setor de Turismo do Brasil formalizaram na última sexta-feira (13) uma carta, enviada ao ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, contendo cinco medidas emergenciais visando garantir a sustentabilidade das empresas do setor de viagens e turismo, frente aos duros impactos do coronavírus.

A disponibilização de linha de crédito especial na Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil para as empresas de turismo é um dos principais pedidos. Outra medida seria postergar o pagamento de impostos relativos à folha de pagamento por 6 meses.

Além disso, na carta é solicitada a liberação do saque do FGTS para funcionários de empresas que exerçam atividade turística e redução do IRRF a 0% nas remessas para pagamentos de serviços turísticos ao exterior.

Por fim, as entidades pedem que o Ministério da Justiça autorize a remarcação de viagens contratadas pelo consumidor, frente ao cancelamento e devolução de valores. Elas alegam que as agências não possuem reservas hoje para realizar a devolução de valores.

Magda Nassar, da Abav, e Roberto Nedelciu, da Braztoa

Magda Nassar, da Abav, e Roberto Nedelciu, da Braztoa

O documento foi assinado por Abav Nacional, ABIH, Abracorp, AirTkt, Aviesp, Avirrp, BRAZTOA, CLIA Brasil, FBHA e Fohb.

Não é preciso cancelar viagens neste momento, explica infectologista

By Coronavírus

Com a proliferação do coronavírus, muitas pessoas que possuem viagens marcadas para fora do Brasil se perguntam se é preciso cancelar ou remarcar seus compromissos. A orientação do infectologista e coordenador do Centro de Gestão do Coronavírus no Estado de São Paulo, David Uip, é que não há motivos para isso. 

“Nós seguimos as orientações das autoridades públicas, e nesse momento não há coibição de ida ou vinda por nenhum meio de transporte, nem via aérea, nem via marítima”, esclarece Uip. “Vamos ficar atentos às atualizações desses órgãos, pois confio plenamente no trabalho deles.”

Uip faz um alerta apenas em relação à China. “Lá é o epicentro do vírus, e não há motivos para correr o risco em um país superpopuloso que está parado por conta do novo coronavírus. De resto, basta ter bom senso e pode viajar e tomando as precauções habituais: proteger a boca e nariz com um lenço ao espirrar e tossir, descartar o lenço e lavar bem as mãos frequentemente, alimentar-se adequadamente e ter boa hidratação”, completa.

Segundo o infectologista, estamos diante de um processo viral semelhante a todos os outros, como o Influenza, a gripe comum, e esse é o momento de buscar a informação de fontes confiáveis. “O pânico é gerado pelas notícias falsas. Fake news são verdadeiros crimes na área da saúde”, alerta Uip. “Temos de ter tranquilidade, informar com transparência e continuar o dia a dia, continuar a rotina de trabalho, as viagens…”

Acesse o link, e entenda o Coronavírus (Covid-19)Acesse o link, e entenda o Coronavírus (Covid-19)

Como o coronavirus pode afetar o mercado do Turismo

By Coronavírus, Ponte Aérea LVT

A disseminação do coronavírus está gerando grande impacto negativo para o turismo internacional. Milhares de chineses estão deixando de viajar pelo mundo, por conta da situação de emergência global. 

Por conta do coronavírus, a China proibiu excursões e vendas de pacotes de hotel e voo. A suspensão já está provocando impacto em dezenas de destinos ao redor do planeta. A China é o maior mercado mundial de viagens de ida e volta, passando de 4,5 milhões de viajantes, em 2000, para 150 milhões de pessoas, em 2018.

Até agora, 22 empresas aéreas internacionais cancelaram voos para a China continental, por causa da epidemia de coronavírus. A maioria é de empresas asiáticas e europeias. Nenhuma empresa brasileira opera voos para o país, apenas a Latam oferece voo em parceria com grupos internacionais.

Além da China, outros 24 países nos quatro continentes já registraram casos de coronavirus. A epidemia já atingiu mais de 20 mil pessoas e deixou mais de 400 mortos. O Brasil investiga 14 casos suspeitos, de acordo com o Ministério da Saúde. Nenhuma infecção foi confirmada por enquanto. 

Orientações 

Com o aparecimento dos casos de doença respiratória causada pelo coronavírus na China, o governo brasileiro vem adotando medidas de preparação, orientação e controle para um possível atendimento de casos suspeitos no país. 

Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, durante coletiva no ministério da Saúde para tratar sobre os novos múmeros e da retirada de brasileiros da região afetada pelo coronavirus, na China Sérgio Lima/Poder360 03.02.2020| Sérgio Lima/Poder360 00.02.2020

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, desaconselhou que brasileiros viajem à China, exceto em caso de “estrita necessidade”. Os aeroportos estão veiculando desde o dia 24/01/2020 avisos sonoros da Anvisa sobre o coronavírus. A mensagem, com duração de um minuto, alerta sobre os sintomas da doença e informa sobre medidas para evitar a sua transmissão.